Por causa dessa cabocla

(Ary Barroso e Luiz Peixoto)

tarde
Quando de volta da serra
Com os ps sujinhos de terra
Vem a cabocla passar
As flores vo pra beira do caminho
Pra ver aquele jeitinho
Que ela tem de caminhar
E quando ela na rede adormece
E o seio moreno esquece
De na camisa ocultar
As rolas tambm morenas
Cobrem-lhe o colo de penas
Pra ele se agasalhar na noite
Dos seus cabelos
Os grampos so feitos de pirilampos
Que as estrelas querem chegar
E as guas dos rios que vo passando
Fitam seus olhos pensando
Que j chegaram ao mar
Com ela dorme toda a natureza
Emudece a correnteza
Fica o cu todo apagado
Somente com o nome dela na boca
Pensando nessa cabocla
Fica um caboclo acordado